Nome: Maria Isabel
Alcunha: Cuca
Idade: 36
Formação: Licenciada em Psicologia, Pós- graduada em Marketing
Profissão atual: artista
Paixões: yoga, taekwondo, pintura
Livro favorito: i Ching
Quando era pequena sonhava em ser: bailarina
Maior objetivo de vida: ser feliz
O que a move: estar em paz e sentir-me grata
Projetos sociais que apoio: Thirst Project Portugal, Novo Futuro

1    Cuca, explica-nos como começou a tua relação com o fado.Costumo dizer que foi amor à primeira vista, quando ouvi ao vivo pela primeira vez nunca mais quis deixar de o ouvir e mais tarde de o começar a cantar. O fado era o meu destino e logo me fui apercebendo que a vida me pedia para o seguir. Um caminho que já era a minha paixão, mas que nunca pensei poder viver dele. Foi a melhor surpresa que a vida me deu.

2    Em que momento é que sentiste que tinhas de parar e dedicar-te completamente ao fado?
Esse processo não foi fácil… eu tinha acabado de me formar em psicologia, com uma pós-graduação em marketing estava pronta para trabalhar e pensei que talvez fosse compatível. Mas quando o Gustavo Santaolalla aparece na minha vida, os meus concertos lá fora começaram a surgir e nunca parei de cantar. Acho que nesse momento a vida me afastou da psicologia e tomou a decisão por mim. Nunca mais parei de cantar até hoje, cada vez tive mais e mais trabalho, ao ponto de nunca me dar tempo para voltar atrás. E que bom assim foi! É ótimo ter uma característica destas e pô-la ao serviço dos outros, trazendo beleza alegria e nostalgia a quem o sente.

3    A “alma de fadista” que tanto se fala existe na tua opinião?
Existe a alma e existe a técnica. Para se ser fadista são necessários os dois. A técnica não é fácil, os trinados… “não é fadista quem quer, mas sim quem nasceu fadista” já se diz no fado. A alma é tudo o que faz o fadista, a alma num sentido figurativo. A “alma de fadista” refere-se a esta predisposição para declamar uma vida que se viveu, uma experiência que se passou com a mesma força e intenção com que se viveu. Perder tempo a falar de sentimentos, ter paixão por eles, olhar para o lado emocional e sentimental da vida, ser um romântico nato, e ser uma pessoa sensível. Tudo isto faz parte de ter uma “alma fadista”.

4    Consideras-te uma fadista tradicional ou fazes parte desta nova geração do fado?
A nova geração do fado também canta fado tradicional, mas eu não sou tradicional nem sou a nova geração que o canta maioritariamente. Adoro fado tradicional, um dos meus artistas favoritos de sempre é o Camané, mas no canto segui os passos da Amália que trouxe ao fado o que lhe chamavam de “fado Canção”. Eu sou mais essa corrente da Amália, é ela que me inspira. A minha voz também se ajusta melhor a este tipo de fado, mais melódico.

Viver um dia de cada vez e saber agradecer o que se tem.

5    Luz é o teu 4º álbum, que diferenças existem entre a Cuca de agora e a fadista que eras quando iniciaste a carreira?
Com a experiência e maturidade que ganhei, cada álbum é um passo em frente. As pessoas não imaginam o mundo de ensinamentos que existem na arte de cantar. Do primeiro para o último disco existem imensos pormenores que fazem toda a diferença… é essa minúcia que faz a diferença na música. A intenção que foi dada a mais e que estragou tudo, ou uma nota que foi dada a menos e que podia ter feito a diferença. Para mim estas pequenas diferenças têm sido muito claras ao longo dos anos e continuo à descoberta de muitos outros detalhes que quero melhorar. O fado é muito transparente. É necessário um grande equilíbrio para se passar boa energia e  por isso mesmo é que defendo que o fado cresce lado a lado com a vida.

6    Sabemos que valorizas muito a tua família e o tempo que dedicas a ela. Como é ser mãe com uma vida tão agitada?
É simplesmente, tenho de saber rever bem as prioridades. Saber abdicar do que não importa, transmitir tranquilidade aos filhos e saber aproveitar o que a vida nos dá de bom. Em vez de stressar com a correria, entrar no comboio da vida com paz de espírito e gratidão. O resto acontece naturalmente e tudo se encaixa com fluidez. Ser mãe é o melhor presente que a vida me deu. Estar com os meus filhos e vê-los crescer. Cumprir a 100% esse papel é uma paixão!

7    Alguma vez equacionaste fazer uma pausa na tua carreira?
Não, nunca fiz. Não tenho férias há 8 anos e recebo o que a vida me dá. Aceito e agradeço. Ei sei que um dia ela vai trazer mais tempo para descansar. Mas há que pôr o dom em prática, caso contrário não teria a quantidade de trabalho que tenho. Tudo tem um sentido.

8    És embaixadora da Guess há alguns anos e mais recentemente de uma marca de joalharia, a TASHI, o que te liga a estas marcas?
São marcas que gosto genuinamente. Há verdade, há a certeza de que elas são eu. Não preciso de me esforçar para as usar com alegria e me sentir bem e completa!

9    Sabemos que estás a gravar um álbum de Natal, já nos podes falar sobre ele?
É um sonho que tenho desde pequena e que realizei aos 36 anos! Quando o ouvi pela primeira vez chorei uma hora de emoção, esse disco tem muito de mim. Está quase a sair!

10    Qual é o teu maior objetivo quando cantas ou compões?
Acho que o motivo da inspiração é deitar para fora. O artista precisa de deitar para fora, seja a pintar, seja a escrever, seja a compor. É como se subisse uma vontade ao peito e, de repente, tem mesmo de escrever ou compor naquele momento. Normalmente é bom não perder esse momento… é desses que saem as melhores coisas.

11    Alguma vez pensaste que hoje estarias exatamente como estás?
Nunca pensei no futuro, sempre vivi um dia de cada vez. Não faço grandes planos, os meus sonhos de vida já os realizei: encontrar o meu amor e cantar. Não sei quanto tempo vou durar nesta terra, por isso cada dia deve ser vivido ao máximo, por inteiro e um de cada vez. Quando projetamos muitas coisas para uma frente, que nem sabemos ainda se vamos viver, deixamos cair muita coisa que está acontecer agora… e que essa sim, ao ser vivida por inteiro, nos poderá trazer um futuro melhor. Mote para a vida, viver um dia de cada vez e saber agradecer o que se tem. Este é o segredo da felicidade!